jump to navigation

Steve Kerr começa trabalho como gerente geral do Suns junho 7, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in curiosidades, Phoenix Suns.
add a comment

Por João Oliveira

O ex-armador Steve Kerr é oficialmente o novo gerente geral do Phoenix Suns. Nesta quarta-feira, Kerr, que assinou com a franquia do Arizona por três anos, começou seu trabalho pelo time. Logo em sua primeira entrevista como dirigente do Suns, o ex-atleta deu claras insinuações de que não mudará muito o time.

“Nos últimos anos este time fez belas campanhas. Eu acho que nós temos um bom time para as três temporadas seguintes”, disse. “Eu acredito que, por enquanto, não há muitas mudanças a fazer na equipe”, completou. Kerr também fez questão de afirmar que o time está “muito perto de conseguir o título, mas que ainda falta um pouco para alcançá-lo”.

Aos 41 anos, Kerr chega ao Phoenix para fazer os deveres que, até maio deste ano, cabiam ao técnico Mike D’Antoni. Após a saída de Bryan Colangelo, em fevereiro de 2006, D’Antoni teve que se multiplicar, já que tinha duas funções no time (gerente geral e técnico). Após a eliminação para o San Antonio Spurs, na segunda rodada dos playoffs, D’Antoni pediu a contratação de um gerente geral integral para poder se dedicar mais a evolução do Suns.

“A chegada de Steve é a melhor das coisas que poderiam ter acontecido para mim. Com ele no comando dos negócios, eu poderei me dedicar mais a equipe e nós poderemos evoluir para alcançar o que falta, que é o título”, declarou o técnico do Phoenix.

Kerr, entretanto, já está relacionado com o Phoenix há mais tempo. Como empregado, o ex-armador iniciou sua gestão nesta quarta, mas já se envolve em alguns negócios do clube desde 2004, quando seu sócio, Robert Sarver, comprou a franquia.

O time do Arizona tem direito a três escolhas no draft deste ano, que será realizado na noite de 28 de junho. Duas destas escolhas são na primeira rodada e a outra, obviamente, é na segunda. Kerr adiantou nesta quarta que usará todas as escolhas na loteria. O curioso é que o Phoenix foi o time que o escolheu na primeira rodada do draft de 1988.

Como jogador, Kerr foi campeão da liga americana cinco vezes. Seus três primeiros títulos foram conquistados pelo Chicago Bulls (1996, 1997 e 1998). Após a aposentadoria de Michael Jordan e a saída de Scott Pippen, o armador também decidiu sair do Bulls, rumando para o San Antonio Spurs. No alvinegro texano, Kerr acumulou mais dois anéis de campeão, conquistados em 1999 (seu primeiro ano no clube) e 2003, ano em que se aposentou. O maior feito do atleta na NBA foi o de ser o recordista de porcentagem nos arremessos de três pontos. Em sua carreira, Kerr conectou 45,4% de seus arremessos de longe. Recorde que dura até hoje.

Nos últimos anos ele trabalhou como comentarista na TNT. Kerr aprendeu muito sobre o jogo ao lado do narrador Marv Albert e do comentarista Doug Collins e decidiu aceitar o convite de seu amigo Robert Sarver, para trabalhar como gerente geral do Suns. O ex-armador havia recusado a mesma proposta no ano passado.

Top 10 de quarta maio 17, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Phoenix Suns, San Antonio Spurs, video.
add a comment

Foi um dia de pouco ataque e muita defesa, mas teve seus lances interessantes:

Prestem atenção na jogada número 1, a cesta de 3 do Bruce Bowen que praticamente decidiu o jogo. Por que o Steve Nash deixa o Bowen para ir ajudar em cima do Tim Duncan? O time inteiro do Suns se fechou em cima do ala-pivô. Que diferença faria o Nash no meio da confusão? Então, ele vai ajudar e acaba criando o espaço para a jogada mais previsível do San Antonio – que eles realizaram em todos os jogos de playoff acirrados como este: algum dos Top 3 penetra – pode tanto ser Duncan quanto Tony Parker ou Manú Ginóbili – e passa para o canto direito, onde estará ou Michael Finley, ou Robert Horry, ou Bruce Bowen, todos especialistas naquela área. No ano passado, Brent Barry também era uma opção nessa jogada, mas ultimamente ele tem jogado pouco. Só contra o Suns, o Spurs executou esta jogada com os três jogadores nas três últimas partidas e sempre nos minutos decisivos… E eles continuam dando espaço para isso!!

Hoje, ninguém transmite Chicago x Detroit para o Brasil… Programa P2P neles!!

Será que o Bulls consegue jogar de maneira perfeita pela terceira partida consecutiva? Terá Detroit feito os ajustes necessários para derrotar o rival e evitar o jogo 7 decisivo? Veremos em algumas horas.

Baron Davis e Jason Richardson jogam hoje maio 15, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Amaré Stoudemire, Baron Davis, Golden State Warriors, Phoenix Suns, San Antonio Spurs, segunda rodada, suspensões, Utah Jazz.
add a comment

Foi anunciado agora à tarde que Baron Davis e Jason Richardson não serão suspensos e jogarão a quinta partida da série do Golden State Warriors contra o Utah Jazz hoje à noite. A falta de Davis foi aumentada para flagrante 2, o que significaria expulsão automática se marcada durante o jogo.

Já na série Spurs x Suns, Amaré Stoudemire e Boris Diaw serão suspensos por um jogo e ficam de fora na quarta-feira, enquanto o Robert Horry fica de fora dois jogos. Injustiça com o Suns,  que lutou duro para vencer fora de casa apenas para ficar sem dois de seus jogadores mais importantes na quinta partida, em casa. Se perder, volta para San Antonio precisando de uma vitória para evitar a eliminação. O Suns vai precisar de uma atuação perfeita para superar o Spurs amanhã.

O fim-de-semana dos playoffs maio 14, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Chicago Bulls, Detroit Pistons, Golden State Warriors, Phoenix Suns, San Antonio Spurs, segunda rodada, Técnico do Ano, Utah Jazz, video.
add a comment

Bom, primeiramente queria me desculpar por nenhuma atualização ontem… Tive uma febre. Tive de ver o Detroit apanhar do Chicago doente de cama! Que droga, né. Bom, não se você for torcedor do Bulls.

Vamos à análise do que transcorreu nos últimos três jogos dos playoffs:

– O Suns foi abrir a boca pra falar do Spurs, dizendo que era um time sujo… E os árbitros respondem dando total vantagem nas marcações para San Antonio! Foi meio que um “se você vai ficar chamando a atenção do público para nossos erros, vai sofrer” dos árbitros. Bruce Bowen comprovou ser um jogador sujo com sua joelhada em Steve Nash, e o Suns quase caiu na provocação. (o Bowen previu corretamente: “Com toda a controvérsia ao meu redor, isso provavelmente vai parar no YouTube”. Toouché, Bruce:)

Mesmo que os árbitros não dessem a vantagem das marcações para o Tim Duncan em mais da metade dos lances, teria sido difícil mesmo para o Suns derrotar o Spurs. Leandrinho jogou mal e Steve Nash teve um péssimo primeiro tempo. Por todo o segundo tempo, e especialmente quando Nash finalmente começou a acertar seus chutes, eu me lembrava que Phoenix venceu jogos desta maneira a temporada inteira. O problema é que desta vez se tratava de San Antonio: um time veterano, que executa com perfeição nos minutos finais. O Suns pode ter seus altos e baixos contra New Jersey ou Dallas, mas não contra um time disciplinado e experiente como o Spurs. Se quiser vencer hoje, Phoenix precisa ser perfeito.

– A mesma coisa pode ser dita de Chicago em relação a Detroit: para vencer o Pistons, o Bulls precisa ser perfeito, e foi o que aconteceu no domingo. Detroit enfim assumiu sua personalidade de “ligar e desligar o interruptor”. Após um excelente começo de segundo quarto, o time se desligou no final do período e teve muito menos energia e disposição que seu rival. Quando jogou o que sabe, conseguiu reduzir a sete pontos, mas já era tarde. Se vencesse, seria injusto, pois o Bulls foi superior.

A pressão ainda está toda sobre Chicago, mas é bom que o Pistons aprenda agora que ele, também, tem de jogar 100% para derrotar o Bulls. Principalmente agora que o rival acordou para a série.

– Dizer que Utah surpreende não seria verdade. É simples: o Jazz tem a presença de garrafão que o Dallas não tinha, o que é o fator decisivo para derrotar Golden State. Embora os críticos insistam que a NBA está mudando e os pivôs não tenham a mesma importância, está claro que eles ainda causam impacto. O problema é que os analistas não consideram alas-pivôs como pivôs, mas Carlos Boozer, Tim Duncan e Chris Webber são pivôs capazes de jogar como alas. Daí o nome de sua posição!

Muito se fala sobre como Phoenix gosta de arremessar o mais rápido possível; pois Golden State faz o Suns parecer uma tartaruga. Os jogadores passam a bola, atacam a cesta e chutam de qualquer lugar – e quando eu digo qualquer lugar, quer dizer qualquer lugar mesmo. Lembram-se nos games antigos de NBA que a bola pegava fogo? Deve ser assim que eles sentem a bola em suas mãos. Quando as bolas estão caindo, ótimo. Quando elas páram de cair – e jogar neste estilo tem de cansar os braços e as pernas alguma hora -, fica difícil, e foi o que aconteceu ontem no final.

O Jazz está executando perfeitamente seu plano de ação e muito crédito tem de ser dado ao técnico Jerry Sloan; afinal, o time é quase que completamente inexperiente em playoffs, e já conseguiu superar um time forte como Houston em um jogo 7 fora de casa E derrotou o Warriors na arena mais barulhenta dos Estados Unidos. Só demonstra como foi uma injustiça ele não receber finalmente o prêmio de Técnico do Ano, enquanto o receptor do prêmio, Sam Mitchell, assiste à segunda rodada dos playoffs de casa após seu time, terceiro melhor de sua conferência e dono de um dos melhores jovens alas-pivôs da liga, ter sido eliminado por uma equipe que não consegue buscar sequer um rebote ofensivo. Em anos anteriores, o crédito ficou para John Stockton e Karl Malone; qual é a desculpa agora?

Imagens da terça-feira maio 9, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Cleveland Cavaliers, fotos, New Jersey Nets, Phoenix Suns, San Antonio Spurs, segunda rodada.
add a comment

Vai bloquear a minha bandeja, é? Então toma um toco na cara pra ver se é maneiro”

“Eu sou f…!”

Diaw: “Vocês acham que eu pego essa mulher aí do lado?”, Parker: “Não sei, cara, a Eva vem aí hoje, não posso vacilar na frente dela…”, Turiaf: “Tenta, comigo ela não quer nada por causa da minha juba”

A nova moda em Phoenix é usar band-aid no nariz pra homenagear o nariz sangrando do Steve Nash no jogo 1. É interessante; uma mensagem pro time que a torcida quer sacrifício pelo título.

“Pode me chamar de macaco, de gorila. Mas você tem uma moto dessas? Ou uma gata dessas na garupa??”

Bonito cabelo, Raja!

Fotos: NBAE/GettyImages/Yahoo.com

San Antonio leva a primeira maio 6, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Phoenix Suns, San Antonio Spurs, segunda rodada.
add a comment

O Spurs venceu o jogo por 111 a 106. O Suns chegou a virar algumas vezes, mas não conseguiu abrir vantagem. Pra piorar, um choque involuntário com o Tony Parker deixou o Steve Nash com o nariz sangrando sem parar e ele não jogou no minuto final do jogo. Que incompetência também, não conseguiam parar o sangramento! Não dava pra ter dado uns pontos ou alguma coisa assim rapidinho? Acontece toda hora nos mais diversos esportes.

Então, os texanos abrem 1 a 0, mas diferente de 2005, não acho que têm a mesma superioridade. Se Nash, melhor jogador do Suns em situações decisivas, estivesse em quadra no final, acho que poderíamos ter tido um final diferente. Terça-feira tem mais.

Zebra! maio 4, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Chicago Bulls, Dallas Mavericks, Detroit Pistons, Golden State Warriors, Houston Rockets, Phoenix Suns, primeira rodada, San Antonio Spurs, Utah Jazz.
add a comment

Confirmado: Dallas Mavericks eliminado dos playoffs pelo Golden State Warriors. Embora o Warriors tenha dominado o time por toda a temporada, um time que venceu 42 jogos e chega aos playoffs pela primeira vez em 13 anos contra um time que ganhou 67 e acabou de ser vice-campeão da NBA tem que ser considerado uma GRANDE zebra. O Warriors está de parabéns, e tenho certeza que já se tornou o time de opção de todos os torcedores já-eliminados do campeonato. Quer dizer, exceto pelos torcedores do Mavs.

O mais interessante é que isso muda toda a dinâmica destes playoffs do Oeste. Quem quer que saia do confronto Rockets x Jazz (empatado em 3 a 3 após a vitória do Utah por 94 a 82 em casa hoje) terá vantagem no mando de quadra, mas terá de ser capaz de fazer o que Dallas não conseguiu: parar o jogo de transição e forçar a superioridade de seus pivôs. Aparentemente, Houston é melhor equipado para isso, enquanto o Jazz correria um pouco mais. Mehmet Okur não joga no interior o suficiente para punir a diferença de altura do Warriors e seria vítima fácil do atletismo de Al Harrington na linha de três – por outro lado, ele tira Andris Biedrins do garrafão e permitiria mais espaço para Carlos Boozer.

Para Spurs e Suns, também muda tudo. San Antonio agora tem o prospecto de ter de enfrentar três times velozes em seguida. Sua experiência e força podem ser suficientes para segurar Nuggets e Suns, mas quando chegar a vez do Warriors – bem mais físico e agressivo que os outros dois na defesa – será que eles agüentam ou o cansaço vai ter tomado conta? Por outro lado, Golden State não tem resposta para Tim Duncan. Caso o adversário seja o Rockets, o jogo já ganha mais as características que o Spurs gosta e a classificação às finais pode ficar mais fácil. Com o Jazz, a situação já muda: Duncan pode marcar Boozer dentro, mas Deron Williams pode correr com Tony Parker e postá-lo no ataque, enquanto Okur provavelmente se esbanjaria com a relutância de Francisco Elson e Fabrício Oberto de saírem do garrafão para marcá-lo. Se Williams for marcado por Bruce Bowen, o Jazz ainda tem Derek Fisher, e tenho certeza que o Spurs lembra-se bem dele de uma certa cesta com 0,4s por jogar em 2004…
O Suns, após dominar o Lakers, terá um desafio enorme pela frente contra San Antonio, e Houston seria um adversário difícil, mas que o time tem como parar: Amaré Stoudemire consegue incomodar Yao Ming de ambos os lados da quadra e Shawn Marion e Raja Bell formariam a dupla responsável por segurar Tracy McGrady. Os outros dois concorrentes seriam caídos do céu: Phoenix impõe seu estilo de jogo veloz contra Utah, e o Warriors não corre mais que o Suns. Esse, aliás, seria o confronto entre o maior divulgador do estilo “equipe baixa com velocidade”, Don Nelson, e seu pupilo mais famoso e de maior sucesso, Mike D’Antoni. Muito intrigante.

Tudo isso ainda pode afetar as chances do Leste: Com o Mavs, esperava-se batalhas nas semifinais e finais de conferência que cansariam os times do Oeste e dexariam o confronto mais equilibrado. Mas não só o Leste terá suas próprias batalhas (Detroit x Chicago e, caso o Nets avance, Cleveland x New Jersey) quanto a tabela do Oeste parece menos forte agora. Suns e Spurs devem fazer uma série dura, mas quem quer que peguem na final seria decidido mais rápido e com menos drama do que contra Dallas. Ao mesmo tempo, pode sair do Oeste um time mais inexperiente e sem vantagem no mando de quadra como o Warriors e o Jazz, que favoreceria um Detroit e até um Chicago.

Segurem-se companheiros: os playoffs vão ficar ainda melhores agora.

Phoenix e Leandrinho avançam maio 3, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in curiosidades, Denver Nuggets, fotos, Los Angeles Lakers, Phoenix Suns, primeira rodada, San Antonio Spurs.
2 comments

O Suns derrotou o Lakers por 119 a 110 agora há pouco e se classificou à segunda fase dos playoffs. Nas semifinais de conferência, será Suns x Spurs, o terceiro colocado do Oeste que também terminou com sua série contra o Denver Nuggets hoje.

Agora a pergunta é: será que o Suns está pronto para vencer o Spurs? O time parece um pouco melhorado na meia-quadra, mas San Antonio dominou Denver após o primeiro jogo – eles não sofreram mais de 100 pontos em nenhuma partida, jogando contra um ataque que passou de 100 pontos 56 vezes na temporada. Teremos duas finais antecipadas nas semifinais – Detroit x Chicago e Phoenix x San Antonio. Vai ser bom de se ver.

Se os links funcionarem e as emissoras cooperarem, né!

“Aí, ô da pipoca, me vê um saquinho de 2 real ae!”

“Eu quero o baldão de frango. Não, de pipoca não, o de frango. Frango frito!! Isso. Valeu!”

Olha o tocão do Camby, parece que foi limpinho e bonitão, né? Mas aí depois…

… Olha a cara de pau dele de puxar a camisa do Duncan embaixo!!

“É isso aí, galera, eu sou gordinho, rico e posso pagar pra sentar aqui na beira da quadra, irado! Valeu pelos aplausos!”

Kobe: “Seu filho da p…, você ganhou dessa vez, mas no ano que vem eu vou te dar uma banda, fica ligado, seu piolho mané…” Raja: “Ah, você pode ir tomar no …, seu zé ruela, a gente arregaçou vocês…”

Essa não tem nada a ver com a NBA, é só porque eu achei essa idéia do jogo em duas superfícies muito maneira. As coisas que os caras inventam… E mesmo sendo só uma exibição de brincadeira, os dois se dedicaram e jogaram pra vencer mesmo! Impressionante.

Aliás, isso me lembra deste link aqui: Michael Jordan e Tiger Woods jogando golfes juntos em um torneio amador. E como sempre, MJ com suas famosas provocações.

Fotos: Alissa Hollimon, D. Clarke Evans, Barry Gossage, Jaime Reina/NBAE/AFP/GettyImages/NBA.com/Yahoo.com

Ficou no quase abril 29, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Los Angeles Lakers, Phoenix Suns, Steve Nash.
add a comment

O Phoenix Suns venceu o Los Angeles Lakers por 113 a 100 agora há pouco e abriu 3 a 1 na série. O Steve Nash acabou ficando no quase: por uma assistência não empatou o recorde! Ele bem que tentou, mas seus colegas erraram alguns arremessos no final. Não tem importância: foi uma excelente atuação do armador, que jogou como o MVP que é.

Stoudemire e Marion também foram muito bem, com duplos-duplos cada um. Stoudemire foi um monstro e buscou 21 rebotes, um recorde pessoal em playoffs.

O Lakers até que se fechou direitinho quando o Leandrinho atacava a cesta, mas pro resto do Suns o garrafão foi uma avenida. Nash, Amaré e Marion fizeram gato e sapato da defesa adversária por todo o segundo tempo, e apesar da energia do Lamar Odom e da torcida, o resto do time parece não ter se energizado. Essa série tem tudo pra acabar na quarta-feira em Phoenix, e o Suns precisa mesmo dessa vitória para ter um descanso e se preparar para pegar o San Antonio Spurs ou Denver Nuggets, série em que eu aposto no Spurs em cinco ou seis jogos.

Phoenix bem encaminhado abril 29, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Los Angeles Lakers, Phoenix Suns.
add a comment

Estou de volta online ao final do terceiro quarto de Phoenix Suns x Los Angeles Lakers, com o Suns vencendo por 85 a 69. O Suns arrancou no final do primeiro tempo e no começo do segundo para abrir diferença e assumir o controle do jogo. Steve Nash está jogando muito: já tem 20 assistências e precisa de mais quatro pra igualar o recorde do Magic Johnson e John Stockton em playoffs.