jump to navigation

Fim da novela: Van Gundy não é mais técnico do Rockets maio 18, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Houston Rockets.
add a comment

O Houston Rockets anunciou hoje que não vai exercer a opção no contrato de Jeff Van Gundy e o técnico vai ser substituído. O favorito à vaga é Rick Adelman.

Vai ser uma transformação curiosa: de um técnico que prega defesa e um ritmo de jogo lento e preso a um treinador que dá total liberdade no ataque. O Daryl Morey vai precisar fazer umas trocas aí e mudar um pouco o perfil deste time; será que o Steve Francis volta? Há boatos por aí que o Francis quer voltar pra Houston e faria de tudo para rescindir o contrato com o Knicks. Por que não uma troca? Não seria interessante para o Knicks de repente obter um ala-armador como Luther Head ou um ala como Bonzi Wells (se bem que acho que o Wells é free agent… e provavelmente não se daria muito bem com os demais jogadores do Knicks)? Vamos ver o que acontece nestas férias, que estão para esquentar.

Anúncios

Links de sábado maio 12, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in curiosidades, Houston Rockets, video.
add a comment

Charles Barkley diz em entrevista que o problema dos Estados Unidos é econômico, não racial, e que na verdade a divisão é entre pobres e ricos. Entre outras coisas, também diz que ainda pretende concorrer ao posto de governador do Alabama e sobre seu famoso comercial dizendo que “Eu não sou modelo, pais devem ser modelos para seus filhos”.

Daryl Morey assume oficialmente o cargo de gerente geral do Houston Rockets.

– Em vez de um link, o vídeo de outra enterrada monstra do Tayshaun Prince:

Zebra! maio 4, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Chicago Bulls, Dallas Mavericks, Detroit Pistons, Golden State Warriors, Houston Rockets, Phoenix Suns, primeira rodada, San Antonio Spurs, Utah Jazz.
add a comment

Confirmado: Dallas Mavericks eliminado dos playoffs pelo Golden State Warriors. Embora o Warriors tenha dominado o time por toda a temporada, um time que venceu 42 jogos e chega aos playoffs pela primeira vez em 13 anos contra um time que ganhou 67 e acabou de ser vice-campeão da NBA tem que ser considerado uma GRANDE zebra. O Warriors está de parabéns, e tenho certeza que já se tornou o time de opção de todos os torcedores já-eliminados do campeonato. Quer dizer, exceto pelos torcedores do Mavs.

O mais interessante é que isso muda toda a dinâmica destes playoffs do Oeste. Quem quer que saia do confronto Rockets x Jazz (empatado em 3 a 3 após a vitória do Utah por 94 a 82 em casa hoje) terá vantagem no mando de quadra, mas terá de ser capaz de fazer o que Dallas não conseguiu: parar o jogo de transição e forçar a superioridade de seus pivôs. Aparentemente, Houston é melhor equipado para isso, enquanto o Jazz correria um pouco mais. Mehmet Okur não joga no interior o suficiente para punir a diferença de altura do Warriors e seria vítima fácil do atletismo de Al Harrington na linha de três – por outro lado, ele tira Andris Biedrins do garrafão e permitiria mais espaço para Carlos Boozer.

Para Spurs e Suns, também muda tudo. San Antonio agora tem o prospecto de ter de enfrentar três times velozes em seguida. Sua experiência e força podem ser suficientes para segurar Nuggets e Suns, mas quando chegar a vez do Warriors – bem mais físico e agressivo que os outros dois na defesa – será que eles agüentam ou o cansaço vai ter tomado conta? Por outro lado, Golden State não tem resposta para Tim Duncan. Caso o adversário seja o Rockets, o jogo já ganha mais as características que o Spurs gosta e a classificação às finais pode ficar mais fácil. Com o Jazz, a situação já muda: Duncan pode marcar Boozer dentro, mas Deron Williams pode correr com Tony Parker e postá-lo no ataque, enquanto Okur provavelmente se esbanjaria com a relutância de Francisco Elson e Fabrício Oberto de saírem do garrafão para marcá-lo. Se Williams for marcado por Bruce Bowen, o Jazz ainda tem Derek Fisher, e tenho certeza que o Spurs lembra-se bem dele de uma certa cesta com 0,4s por jogar em 2004…
O Suns, após dominar o Lakers, terá um desafio enorme pela frente contra San Antonio, e Houston seria um adversário difícil, mas que o time tem como parar: Amaré Stoudemire consegue incomodar Yao Ming de ambos os lados da quadra e Shawn Marion e Raja Bell formariam a dupla responsável por segurar Tracy McGrady. Os outros dois concorrentes seriam caídos do céu: Phoenix impõe seu estilo de jogo veloz contra Utah, e o Warriors não corre mais que o Suns. Esse, aliás, seria o confronto entre o maior divulgador do estilo “equipe baixa com velocidade”, Don Nelson, e seu pupilo mais famoso e de maior sucesso, Mike D’Antoni. Muito intrigante.

Tudo isso ainda pode afetar as chances do Leste: Com o Mavs, esperava-se batalhas nas semifinais e finais de conferência que cansariam os times do Oeste e dexariam o confronto mais equilibrado. Mas não só o Leste terá suas próprias batalhas (Detroit x Chicago e, caso o Nets avance, Cleveland x New Jersey) quanto a tabela do Oeste parece menos forte agora. Suns e Spurs devem fazer uma série dura, mas quem quer que peguem na final seria decidido mais rápido e com menos drama do que contra Dallas. Ao mesmo tempo, pode sair do Oeste um time mais inexperiente e sem vantagem no mando de quadra como o Warriors e o Jazz, que favoreceria um Detroit e até um Chicago.

Segurem-se companheiros: os playoffs vão ficar ainda melhores agora.

Denver x San Antonio rolando maio 1, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Cleveland Cavaliers, Denver Nuggets, Houston Rockets, New Jersey Nets, primeira rodada, Toronto Raptors, Utah Jazz, Washington Wizards.
1 comment so far

Dois jogos já terminados nesta segunda: Cleveland 97 x 90 Washington – assim o Cavs varreu o Wizards e seguiu à segunda rodada – e Houston 96 x 92 Utah.

– Foi um bom jogo entre Utah e Houston. Espero que o Dirk Nowitzki tenha visto bem o jogo e visto o que o Tracy McGrady fez: não teve medo de colocar a bola no chão e entrar no garrafão, indo pra finalização. Quando vinha a marcação, passe pra fora, e deu no que deu: 16 assistências, recorde pessoal nos playoffs.

Agora, o que eu não entendi foi o final de jogo do Utah. Com 11s no relógio, o placar estava definido e o Jazz teve a lateral no lado direito da quadra. Passaram para o Matt Harpring, que estava quente no último quarto, e ele foi bloqueado; recuperou a bola e chutou de novo. Yao Ming pegou o rebote com mais ou menos 4s restando. Só que Utah não fez falta! Carlos Boozer e um outro companheiro que não reconheci – acho que era o Derek Fisher – primeiro abaixaram os braços e respiraram, depois olharam para Yao, depois encostaram em Yao meio que dizendo um pro outro, “Vamos fazer falta pelo menos” e ao mesmo tempo meio que tiraram os braços pensando, “Mas acho queo árbitro nem está mais vendo, já deve ter acabado”, e só aí tocou a sirene. A reação do Boozer foi a mesma de todos os torcedores do Jazz: colocou os braços sobre a cabeça e fechou os olhos com uma expressão de “não acredito que isso acabou de acontecer”.

– Não vi os últimos minutos de Cavs x Wizards, mas pelo que vi, até a primeira metade do último quarto, era a mesma coisa de todo o resto da série: Washington lutando e conseguindo uma minúscula vantagem por boa parte do jogo, mas o Cavaliers ligando o motor quando precisava no final para vencer. Existe uma teoria que Cleveland quer copiar o Detroit Pistons em diversos aspectos, por causa do proprietário Dan Gilbert, que tem sua base empresarial lá. Esse hábito de jogar meia-bomba, administrando o jogo contra adversários piores, é típico do Pistons. Para sorte do Cavs, qualquer que seja o próximo adversário, será também abaixo de seu nível e o time não terá de fazer um ajuste enorme – embora tenha de aumentar a intensidade para enfrentar a experiência do Nets.

Tem que ser notado que o Larry Hughes manteve o bom nível dos primeiros jogos da série e parece ter se encontrado como armador e principal criador do Cavs. O Zydrunas Ilgauskas também teve uma boa atuação hoje e isso vai ser importante para a série contra o Nets, que tem um jogo de garrafão que está fazendo um trabalho decente contra o Chris Bosh.

Panorama do sábado abril 29, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Cleveland Cavaliers, Denver Nuggets, Detroit Pistons, Houston Rockets, Nenê, primeira rodada, San Antonio Spurs, Utah Jazz, Washington Wizards.
add a comment

Mais um dia de playoffs na NBA concluído. Eis a situação de cada série:

LESTE – Detroit 4 x 0 Orlando (Detroit avança); Cleveland 3 x 0 Washington; Toronto 1 x 2 New Jersey; Miami 0 x 3 Chicago

OESTE – Dallas 1 x 2 Golden State; Phoenix 2 x 1 Los Angeles; San Antonio 2 x1 Denver; Utah 2 x 2 Houston

– Detroit teve um pouco mais de dificuldades hoje, mas nada demais e que seus jogadores já não estejam acostumados. O Pistons esteve no comando pela maior parte da partida novamente e conseguiu uma importante varrida contra o Magic, já que a série entre Miami e Chicago pode acabar antecipadamente neste domingo. Se não acabar (e eu acho que não acaba, o Heat vai ter de jogar melhor do que vem jogando e não vai querer sair humilhado deste jeito), o time obtém um descanso muito necessário para pegar um dos dois rivais mais tarde. A torcida do Detroit é que a série se prolongue, para que o time possa realmente aproveitar a vantagem do descanso extra e também do tempo extra de preparação. A última vez que o Pistons varreu uma série de playoffs, foi campeão… Será que acontece de novo?

– Tudo está sob o controle do Cavs na série contra o Wizards. Washington é bastante esforçado e brigador, e Antawn Jamison está provando seu valor, mas Cleveland está completo e LeBron James ainda não está nem jogando em 100% de capacidade. Outro time que pode se beneficiar e muito de uma varrida, já que dará mais tempo para James se recuperar da torção no tornozelo. Do outro lado, Nets e Raptors estão em uma batalha emocional e uma vitória do Toronto fora de casa no domingo dá novos contornos dramáticos à disputa. O vencedor deverá estar gasto quando pegar Cleveland.

– San Antonio provou, mais uma vez, que é experiente e frio demais para se preocupar com os críticos que já apontavam sua possível eliminação contra Denver. Por mais que o Nuggets tenha lutado e se aproximado várias vezes, a vitória por 96 a 91 de hoje nunca esteve em xeque.

Se quiser vencer esta série, o Nuggets vai precisar de muito mais ajuda de seu banco e de muito mais atenção na defesa, principalmente nos rebotes defensivos. Nenê vem jogando bem ofensivamente e na marcação homem-a-homem, mas seu posicionamento e disposição na tábua defensiva é triste. Por isso que mesmo jogadores menores do Spurs como Parker e Ginóbili conseguem entrar e buscar rebotes. E isso mata o jogo de transição da equipe. Se for jogar no ritmo cadenciado do Spurs, não vai dar para Denver.

– Como esperado, o Jazz devolveu as duas derrotas fora de casa para o Rockets e empatou a série com a vitória por 98 a 85 hoje – que foi muito mais lavada do que o placar indica. T-Mac voltou a sumir em momentos importantes do jogo, bem marcado, e Yao cometeu muitos erros no decisivo terceiro quarto.

Esta série está equilibrada, mas ainda não houve um jogo verdadeiramente equilibrado, decidido no finalzinho. Tomara que seja o caso dos próximos dois – com sorte, três – jogos. Os carregadores de piano e reservas do Rockets vão ter de começar a acertar a mão para liberar os espaços, mas mais importante ainda é que McGrady, que tanto falou que “desta vez, a responsabilidade é toda minha”, jogue como no segundo tempo do jogo 1 e no jogo 2, com postura de líder e atacando a cesta.

E é isso. Estou desconectando do chat. Quem quiser papear sobre os jogos de domingo, estarei online a partir de 18h. Abraço!

Jogos 3 de quinta abril 27, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Detroit Pistons, Houston Rockets, Kobe Bryant, Los Angeles Lakers, Orlando Magic, Phoenix Suns, primeira rodada, Utah Jazz.
add a comment

– O Detroit Pistons teve uma atuação dominante contra o Orlando Magic e venceu por 93 a 77. Pela primeira vez nos últimos quatro anos, Detroit pareceu sério e determinado a conseguir a varrida em uma série de primeira rodada contra um oponente inferior. O time tem o costume de deixar as coisas se prolongarem e jogar apenas o suficiente para vencer, mas nesta quinta todos os titulares estavam com vontade, até o ala-armador Rip Hamilton, que foi mal no ataque mas mostrou disposição.

A não ser que o velho hábito volte a se manifestar no sábado, essa série acaba em quatro jogos.

– Não assisti ao jogo Utah 81 x 67 Houston.  A impressão que tenho, vendo só os números da partida, é que o Jazz resolveu ceder os pontos a Yao Ming e tentar apenas dificultar um pouco o trabalho de Tracy McGrady, enquanto fechava as portas para todos os outros jogadores. Em outras palavras, fazer T-Mac e Yao sozinhos os derrotarem. A estratégia deu certo.

– O Lakers mostrou espírito de luta e Kobe Bryant voltou a comandar o show, mas ainda assim o Phoenix Suns permaneceu no jogo até os últimos segundos e eu não duvidava da virada até Stoudemire começar a chutar de três. Acho que o quarto jogo será ainda mais equilibrado, mas que Steve Nash dessa vez liderará Phoenix à vitória. Veremos.

Houston leva Jogo 2 contra Utah abril 24, 2007

Posted by Adriano Albuquerque in Houston Rockets, primeira rodada, Utah Jazz.
add a comment

O Houston Rockets venceu novamente o Utah Jazz nesta segunda-feira, desta vez por 98 a 90, em Houston. O time inteiro jogou muito bem na defesa e deu apoio ao Tracy McGrady no ataque, e o trabalho ficou mais fácil para o T-Mac, que dominou as ações e foi o principal jogador do time.

O Carlos Boozer teve uma atuação magnífica, de 41 pontos e 14 rebotes. Pena que o seu time, por sua vez, não o ajudou em nada. Se Utah teve alguma chance neste jogo e tem alguma chance nesta série, é por sua causa.

Jerry Sloan vai precisar fazer muitos ajustes neste time pra vencer o próximo jogo, e o “chorão” Kirilenko tem que aparecer. Por que ele não está marcando McGrady mais? E Mehmet Okur, este precisa muito melhorar. A atuação dele hoje foi pífia; ele até lutou na defesa, mas foi um desastre no ataque, foi como se o Jazz jogasse com menos um.

As coisas parecem bem encaminhadas para T-Mac e Yao avançarem à segunda rodada, mas eu não estaria tão certo da classificação deles se fosse você: lembre-se que o Rockets teve vantagem semelhante contra o Dallas Mavericks há dois anos atrás, sendo que disputariam os jogos 3 e 4 em casa, e acabaram perdendo a série por 4 a 3. Várias das marcações duvidosas dos jogos de sábado e hoje vão cair para o lado do Jazz em Utah, e o Rockets vai ter de superar isso também para vencer.